High Speed Sync

10 mar
2014

O nome assusta, High Speed Sync,  e para piorar a explicação depende de um conceito levemente nebuloso: a velocidade de sincronismo.

No último post sobre o Domo Difusor eu levei uma chamada wolverínica de Henry Cartier-Bresson, ele mesmo, em um comentário nada sutil sobre minhas deficiências sobre iluminação.

Pensei que Nosso Pai fosse dar uma explicação à altura sobre o tema, mas contentou-se com a trolada mesmo.

O curioso é que me lembrei de uma frase lida na excelente biografia “O Olhar do Século“, escrita por Pierre Assouline, em que o pai do fotojornalismo afirma:

Não se deve  chicotear a água antes de pescar”

Uma clara crítica ao uso do flash na fotografia, mas em compensação já estive em Recife e Cuiabá ( ou em Wadi Rum na Jordânia, com os flashes fotografando a 50 graus na sombra) e pude ver como uma fornalha passando por cima de sua cabeça muda o seu ponto de vista em relação à mítica luz natural.

É fácil perceber que em um país tropical como o nosso a exposição durante a parte mais quente do dia pode chegar facilmente a 1/250s e f/16, é a regra Sunny16 adaptada para um sol muito mais forte.

O problema é que 1/250s é a velocidade de sincronismo de muitas câmeras digitais modernas, ou seja, sem o modo de Sincronização Rápida ( o High Speed Sync do título) presente nos flashes atuais, você teria que se contentar sempre com aberturas muito pequenas toda vez que fosse usar um flash.

Um forte argumento a favor dos “cães” é a capacidade de sincronizar em qualquer velocidade de obturador ( com uma grave perda de potência), mas como a percepção de movimento é controlada pelo obturador, seria possível congelar movimentos rápidos com o uso de velocidades elevadas de obturação e um flash dedicado?

O vídeo abaixo é autoexplicativo, mostra duas fotos, uma feita com f/4 e 1/250s em ISO 100, com um SB-900 (carga 1/64 e 75mm) afastado 1,5m de uma furadeira, essa aqui:

1/250s@f/4, ISO 100

1/250s@f/4, ISO 100

e a segunda foto feita com o mesmo flash em carga total ( zoom de 105mm), a mesma abertura f/4 mas agora a velocidade cravada em 1/8.000s..

1/8.000s@f/4, ISO 100

1/8.000s@f/4, ISO 100

Qual delas vence essa disputa? Uma velocidade maior com flash congela melhor o movimento?

Percebe-se claramente que a imagem com 1/250s congela mais o movimento angular do mandril que a outra, feita com 1/8.000s, mas como isso é possível? e qual a verdadeira vantagem de sincronizar com velocidades altas de obturador?

Comentários são bem vindos e não deixe de visitar a agenda do blog na I LOVE MY WALL, tem cursos excelentes boa por lá..depois não diz que eu não avisei..rs

 

Boa Luz e Boa Sorte!

30 Responses to High Speed Sync

Avatar

Raul

março 10th, 2014 at 11:53

com a velocidade de sinc. normal, o flash dispara apenas uma vez, já no modo “high sinc” ele dispara diversas vezes, por isso o movimento em high sinc.

Avatar

Christian

março 10th, 2014 at 11:57

Sempre surpreendendo… Excelente!!
Parabéns!!

Avatar

Bruno Cardi

março 10th, 2014 at 13:02

Muito legal ve-lo postando com mais frequencia Renato. Continue assim.

Se der, coloque junto as fotos do video aqui no post, o vídeo está subindo com pouca qualidade e fica dificil para comparar as duas fotos.

Abs!

Avatar

Roberto Alves Lima

março 10th, 2014 at 13:07

Renato, vamos lá. kkk
1- Com 1/8000 o aumento da carga compensa a perda de potencia do sincronismo, por isso a diferença entre as cargas 1/64 e 1/1 respectivamente. 2- O sentido de maior movimento em 1/8000 pode ser dos inúmeros pulsos tão rápidos do flash enquanto a cortina faz seu caminho que não chegam a congelar como a 1/250.
As diferenças no zoom seriam para também compensar a perda de potência?
Abs.

Avatar

Renato Miranda

março 10th, 2014 at 14:14

@Bruno Cardi, ok, farei isso quando voltar do trabalho! obrigado pelo toque!!
abração

Avatar

Bruno Lorenzo

março 10th, 2014 at 15:26

Show de bola Renato!!!

Avatar

Magareth Vale

março 10th, 2014 at 16:40

adorei o post,eu sempre acompanho o blog,o Ansel Adams podia fazer uma visita ,assim teriamos um post por semana
abraço Renato!

Avatar

Renato Miranda

março 10th, 2014 at 19:34

Seria uam boa Margareth! Obrigado pela visita e leitura! tento escrever mais vezes, mas o trabalho anda me consumindo tiodo tempo disponível! abração

Avatar

Renato Miranda

março 10th, 2014 at 19:35

Valeu Bruno! sempre bem-vindo! abração

Avatar

luiz salgueiro

março 10th, 2014 at 20:11

Renato,
apesar de ser um recurso muito legal quando estamos com iluminação de um pais tropical, o high speed sync, é muito legal para termos uma luz de preenchimento e complementar, não seria o mais adequado para a finalidade de congelamento de imagem. O congelamento da imagem de um “splash” a velocidade do obturador altera pouco no resultado pois o momento decisivo ficará por conta da luz do flash com carga menores.
acompanho sempre suas postagens e parabéns pelo CRIADOURO também de ideias…

Avatar

Felipe Orita

março 10th, 2014 at 20:22

Grande post….ri muito da voz do Bresson….Parabéns pelo grande trabalho !!!

Avatar

Rodrigo de Oliveira

março 10th, 2014 at 20:51

Ola Renato,acompanho todos os posts aqui mas esses com vídeos eu não consigo abrir via iphone,seria problema do meu aparelho ou só é possível abrir em computador? Abcos..
(Está faltando um app do “Ilovemyjob” :-)

Avatar

Renato Miranda

março 10th, 2014 at 21:05

Obrigado Felipe!! abração

Avatar

Renato Miranda

março 11th, 2014 at 00:58

@Bruno Cardi, pronto Bruno! coloquei as duas fotos e ajustei pequenos detalhes! valeu pela ajuda!
abração

Avatar

Renato Miranda

março 11th, 2014 at 00:59

@Rodrigo de Oliveira, Oi Rodrigo..não, quando seleciono no YT escolho uma configuração que permite abrir em todos os aparelhos, até na Apple tv, só acontece com esses vídeos do ILMJ? abração, o app vai sair!

Avatar

Ricardo Sanchez

março 11th, 2014 at 02:26

A vantagem da sincronia em alta velocidade é poder usar grandes aberturas, agora no caso das fotografias, onde o que conta é a velocidade do flash, creio que a carga menor tenha uma velocidade maior que 1/8000.

Avatar

Fernanda

março 12th, 2014 at 01:55

Você sempre colocando o povo pra quebrar a cabeça… rs e é por isso que aprendemos! Com sua humildade e bom humor conseguimos pensar junto e então desvendar os mistérios desses cãeszinhos.

Obrigada por sempre compartilhar teu conhecimento!
Beijo!

Avatar

Renato Miranda

março 12th, 2014 at 20:54

Obrigado você por passar aqui e participar Fernanda! Sucesso!

Avatar

Paulo Nélio Siqueira

março 13th, 2014 at 11:49

A velocidade do obturador maior (1/250) congelou o movimento devido o flash estar em uma menor potência (1/64). Pois uma lâmpada de flash do speedlight, tem apenas dois níveis reais de potência – ligada e desligada. Para obter as configurações menores, o equipamento corta a duração, limitando o tempo pelo o qual ela se ilumina. Com a velocidade menor (1/8000) o flash teve que utilizar carga total para fazer a iluminação, isso implica e perca de velocidade do flash, este que foi o responsável pelo congelamento da imagem.

Avatar

Paulo Nélio Siqueira

março 13th, 2014 at 12:05

A vantagem de poder trabalhar com altas velocidades do obturador é que não controlamos a posição do sol ele que determina a posição do modelo(a): “a Fornalha jordaniana ilumina a Taís Araújo em um angulo de 45 graus, dando volume e deixando quase metade do corpo da atriz na sombra (eu exagerei um pouco no PS para evidenciar a sombra). Caso não houvesse nenhuma outra fonte de luz disponível, essa já seria uma foto boa para divulgação. As sombras atrapalham um pouco a impressão dessa imagem em papel jornal, mas com um SB louco para sair da mochila, você consegue muito mais.

Parte do trabalho que o flash vai fazer poderia ser feito com um rebatedor, mas o flash oferece a vantagem de permitir que o fotógrafo estabeleça relações entre as luzes da foto. Seria impossível subexpor o fundo com um rebatedor, com o flash, era só aumentar a velocidade do obturador da câmera.” utilizei seu texto para resposta, o link da citação http://www.ilovemyjob.com.br/blog/2009/07/14/uma-luz-apenas/

Avatar

Renato Miranda

março 13th, 2014 at 17:59

aí não vale…rsrs..mas obrigado pela participação Paulo! em breve outro vídeo com a resposta! abração

Avatar

João Carlos Lebrão Rocha

março 21st, 2014 at 18:09

Para mim o grande lance de fotografar com alta velocidade utilizando o flash é 1º – permitir escurecer o fundo tanto quanto o desejado ; 2º principalmente trabalhar com grandes aberturas, reduzindo o campo focal e consequentemente desfocando o fundo .

Avatar

Renato Miranda

abril 8th, 2014 at 01:31

é isso! abração, em breve a resposta aqui!

Avatar

Claudinei Fortes

abril 27th, 2014 at 12:43

Unidades de Flash da câmera são uma grande exceção, e são “diferentes”, sendo extremamente rápido em níveis mais baixos de energia (o nome “speedlight”). O seu nível de potência1/64 ou 1/32 podem ter uma duração real de 1/20, 000s , o ultimo suficiente para congelar qualquer movimento, desde que sobressaia a luz contínua. Como a luz solar, no high speed sync o flash passa a funcionar da mesma forma. Portanto em qualquer alta velocidade do obturador. HSS não será flash de alta velocidade. Não é mais um flash , e sim luz contínua; ele não terá capacidade para congelar o assunto em movimento. O objetivo comum deste modo de flash FP é proporcionar grande abertura, permitindo velocidades do obturador rápidas com flash de preenchimento sob sol forte, talvez a 1/3200 segundo em f/2.8 (ISO 100) – se desejar, quando a carga reduzida permitir que alcance uma distância suficiente.

Avatar

Renato Gomes

maio 28th, 2014 at 12:30

Ótimo post. Parabéns!

Avatar

Alex Helser

junho 18th, 2014 at 20:51

Parabéns, acompanho os seus posts e agradeço por dividir com todos seus conhecimentos e experiências. moro no Pará e assim que tiver a oportunidade faço um workshop com vc.

A sacada está no tempo da luz flash. Em velocidade alta como 1/8000 o flash precisa de um tempo maior para iluminar. Em velocidade mais “baixas” o tempo do flash com potencia reduzida é mais rápido.

Avatar

Lucas Marco

junho 26th, 2014 at 11:44

A grande vantagem de se fotografar em hypersync na minha opinião é para fotos de esporte em horários onde a luz é totalmente dura… Se fotografar em 1/200 a noite uma manobra de skate por exemplo, o flash congela perfeitamente a imagem. Mas se for fotografar a mesma manobra as 13:00hs com o sol a pino eu não vou conseguir o mesmo congelamento.
Você sabe o real motivo disso Renato?
E outra duvida, quais triggers são bons para Hypersync, me indicaram muito os Pocket Wizards, você os aconselha?
Abraço e parabéns pelo trabalho!

Avatar

Nuno Sousa

agosto 3rd, 2014 at 17:59

Olá. . Com uma sincronização de alta velocidade, podemos usar aberturas maiores e criar um DOF maior. essa é a grande vantagem.

Avatar

welington

novembro 7th, 2014 at 10:38

o amigo Nuno esta certo, ia dizer justamente isso!

Avatar

Fernanda

junho 13th, 2016 at 00:27

@Renato Miranda, 2 anos depois revendo o video e eu ia comentar de novo! caraca… idade chegando..

Comment Form

top