Category Estúdio

Teleobjetivas achatam planos? 38

Sim! E mamíferos como os coelhos colocam ovos de chocolate na Páscoa…

Eu tirei 10 dias de férias bem merecidas e a proposta desse post é bem simples:

Farei duas fotos com a câmera no tripé, mantendo fixa a exposição e alterando apenas a distancia focal, na primeira imagem será usada uma 50mm (tanto faz se f/ 1.4 ou f/ 1.8) e na segunda, uma 85mm (também não importa a abertura máxima).

Antes, acho que vale a pena explicar o que é a “distancia focal” de uma objetiva:

 é a distância, em milímetros, entre o ponto de convergência da luz até o ponto – sensor ou filme - onde a imagem focalizada será projetada.

Eu sei.. não ajuda muito, é o tipo de definição que pede um mergulho mais profundo, até porque é la no fundo que se encontram as respostas para angulo de visão, distancia focal e tamanho de imagem, mas você terá que enfrentar catetos, tangentes e o Teorema de Pitágoras, como a maioria dos fotógrafos atualmente quer as respostas prontas, eu vou ficar por aqui, ok?

 

50mm (f/4@ 1/25s, ISO 1600)

50mm (f/4@ 1/25s, ISO 1600)

Aqui esta nossa primeira imagem, tentei fazer um vídeo mostrando todo o post, mas com um vento de -2 graus entrando pelas frestas da roupa ficava difícil falar ou pensar em alguma coisa.

Ela mostra Thaisa, minha engenheira sagaz, sentada em um banco com um arbusto e um pequeno prédio ao fundo, a câmera esta no tripé e o próximo passo é clicar a mesma cena, desta vez com uma 85mm, na mesma exposição:

85mm (f/4@1/25s, ISO 1600)

85mm (f/4@1/25s, ISO 1600)

WOW!

Olha a diferença no enquadramento e como esse post está tendendo a terminar como todos aqueles que você já leu recomendando escolher com calma sua teleobjetiva e observar como distancias focais maiores tendem a isolar o assunto principal e ACHATAR OS PLANOS DA IMAGEM, fazendo com que a Thaisa fique mais próxima do prédio ao fundo e do arbusto.

Normalmente, esses posts também sugerem a compra uma objetiva que você ainda não tem e cujo preço bate facilmente na casa de alguns mil dólares, o que te deixa chupando dedo e se achando a pior das criaturas e, como sempre, associando uma boa fotografia a equipamentos caros.

O que eu acho estranho nesse mundo onde é cada vez mais fácil dar um zoom em uma foto no monitor da câmera ou em programas como Lightroom ou Photoshop, é que não se tenha percebido que todas as imagens usadas para mostrar esse efeito de achatamento de planos, acabam provando justamente o contrário.

Observe novamente a imagem feita com a 50mm (note os fios de cabelo caindo pelo rosto da Thaisa, ok?):

50mm (f/4@ 1/25s, ISO 1600)

50mm (f/4@ 1/25s, ISO 1600)

Ainda na câmera, sem ajuda de qualquer programa de edição, usei o comando interno “TRIM” ( algumas modelos permitem que se ajuste a imagem ainda dentro da câmera) e dei um corte mais fechado na imagem, veja:

50mm "cropada" (f4@ 1/25s , ISO 1600

50mm “cropada” (f4@ 1/25s , ISO 1600)

ainda é a mesma 50mm, exatamente a mesma imagem, mas agora compare esse novo corte com a 85mm:

85mm (f/4@1/25s, ISO 1600)

85mm (f/4@1/25s, ISO 1600)

Como se esperava, o fundo ficou mais desfocado, consequência imediata de se aumentar a distancia focal de uma objetiva, mas cade o bendito achatamento de planos?

Infelizmente ( ou felizmente, dependendo do lado em que se esteja):

Teleobjetivas não achatam planos.

Até porque se há algo no universo que obteve êxito em ser achatado foi a noção de “plano”.

Quando se aumenta a distancia focal de uma objetiva,por exemplo, indo de uma 24mm para uma 50mm, de uma 85mm para uma 200mm, além da imediata diminuição da profundidade de campo, ocorre um aumento do tamanho da imagem projetada dentro da câmera.

Como seu sensor permanece com o tamanho inalterado, ele capta agora um pedaço menor da imagem, dando a impressão de que o objeto fotografado esta mais perto, quando na verdade sua imagem é que está aumentando.

dia8.4_thumb[1]

Justamente pela falta daquele mergulho mais profundo lá de cima, pela pressa em se obter resultados imediatos e pela mania de querer crescer na fotografia ouvindo “dicas” de gente que nem portfólio tem é que sua mente está sendo ludibriada por conceitos bobos.

Mas, se seus próprios olhos estão sendo enganados, como você espera se desenvolver em um profissão que depende, essencialmente, de um olhar aguçado?

Boa Luz e Boa Sorte!

 

PS: o teclado é italiano, alguns erros eu vou corrigir na volta, ok?

PS(2): eu não parei de escrever aqui, estou usando o pouco tempo que me sobra para reunir os melhores fotógrafos do pais para cursos presenciais no meu estudio, o Criadouro. Em 2 anos teve muita coisa boa, vem conhecer o espaço!

PS(3): eu consigo contar de cabeça pelo menos 4 posts que foram literalmente surrupiados daqui e vendidos em curso on-line por ai, dá pelo menos o crédito, meu velho…fica deselegante isso…

Difusores, Rebatedores e Bandeiras 5

Quer difundir bem a luz do seu flash de estúdio ou portátil mas não tem R$ 700 para comprar um softbox de 1,20m x 0,90m?

Então esqueça a vontade de chutar cavaletes políticos e aprenda a montar um acessório de iluminação extremamente versátil e praticamente de graça.

Acompanhe o passo-a-passo:

1-Arrume um suporte em metal de propaganda política:

Painel

Na última sexta-feira era possível arrumar vários de graça com os garis que os recolhiam das ruas ou esperar pela ação do vento ou da chuva.

Os tamanhos variam, mas era bem fácil encontrar quadrados de 1,5m ou até mesmo com 2m de lado, o que já garante uma difusão incrível de uma ( ou mais) modelo (s) em pé no estúdio. Um serralheiro pode fazer um igual por menos de R$ 60,00 caso não queira esperar pelo 2 turno.

2- Remova o plástico central:

Painel2

 

Os painéis de 2m ainda contam com uma barra central extremamente útil como veremos no fim do post.

Depois de retirada a parte plástica, a ferrugem na superfície pode sugerir que a peça esta perdida. Uma lixa de metal n.180 irá mostrar o quanto você está enganado:

Painel3a

Mas, claro, por R$ 60 não espere o melhor metal do mundo, uma lata pequena de Hammerite (R$20,00)  irá proteger a estrutura por um bom tempo.

A foto abaixo mostra os 3 painéis, dois já pintados de branco, com 1.5m,  e outro ainda esperando a pintura, com 2m de lado:

Paine4

Pronto, a estrutura está pronta e há três maneiras de usar:

Bandeira: para controlar ou bloquear a luz, basta mandar fazer uma capa com qualquer tecido preto resistente, como brim ou elastano.

Paine5

 

Rebatedor: se em vez de preto, o pano usado for branco, prateado ou dourado, surge um rebatedor gigante para o seu estúdio :

PES Photography and Video Reflector Studio Flag Panel

 

Difusores/ Butterfly: Troque o pano por um tecido como a seda ou um nylon rip-stop e coloque na frente ou embaixo da fonte luminosa e cria-se uma difusão impressionante com um painel desse tamanho.

mt159015

Do jeito que está, agora seria necessário a ajuda de um assistente para segurar o conjunto. Basta pedir ao serralheiro para soldar uma extensão de metal e usar uma grip head no tripé que o conjunto se mantém fixo no local ( capricha nos sacos de areia, ok?):

MD-349581

 

abaixo há um vídeo ( inglês) mostrando como espelhos e frames como esses acima podem ser usados em uma sessão de fotos:

Boa Luz e Boa Sorte!!

 

Shutterstock no Criadouro 0

Um dos maiores bancos de imagens do planeta fará uma palestra gratuita na terça, dia 2 de Setembro às 20h, com a presença confirmada do fotógrafo representante da empresa.

A Shutterstock, uma agência americana fundada em 2003 com mais de 40 milhões de fotos, vetores, ilustrações e vídeos em seu banco de imagens, traz ao país seu representante, o fotógrafo Alex Rodrigues, para o SHUTTERTALK, um workshop gratuito onde o fotógrafo pode entender como produzir conteúdo para um banco de imagens, melhorando sua renda com sua paixão.

É a sua chance de entender como funciona o processo, a interface do site, tornar-se parceiro e formatar a sua fotografia para trabalhos com a agência, tendo a oportunidade de tirar suas dúvidas diretamente com o fotógrafo responsável pelo Brasil! Com um detalhe: absolutamente de graça!

O encontro será no jardim do Criadouro, com uma vista deslumbrante da Pedra da Gávea e há estacionamento no local, curta a nossa página para receber as novidades ( e elas virão, acredite!)

As vagas são limitadas, mas a reserva pode ser feita on line pelo link: http://goo.gl/1xNzUy

Criadouro_SM_Option1

 

SHUTTERTALK no Criadouro

02 de Setembro às 20h

Rua Floresta Imperial 66, Itanhangá

renatorochamiranda@gmail.com / (21) 980133938

Hostels, pousadas e hotéis ao lado do estúdio, com diárias começando em R$ 70

formulário de inscrição: http://goo.gl/1xNzUy

#vemprocriadouro

 

Boa Luz e Boa Sorte!

 

 

Getty Images no Criadouro Carioca 0

Anote na agenda e não deixe passar a oportunidade: a Getty Images, a maior agência de fotografia do mundo, fará uma palestra gratuita nessa quinta-feira, dia 14 de Agosto às 20h, nos jardins do Criadouro Carioca ( se o tempo deixar, com a presença do luar da Cidade de Rara Beleza)

A idéia é mostrar como foi o trabalho de cobertura do maior evento esportivo do mundo: a Copa do Mundo Fifa Brasil 2014. Um oportunidade absolutamente única!

download

A gerente de operações nacional, Alessandra del Bene, inicia com uma apresentação da agência e seu modo de trabalhar e logo depois um dos fotógrafos da Getty, Buda Mendes, faz uma apresentação de suas imagens e comenta sobre seu trabalho.

Se você tem dúvidas de como participar ou quer entender como uma agência desse porte trabalha, é a sua chance! As reservas podem ser feitas on-line pelo formulário: http://goo.gl/YQd1lh

O Criadouro fica no Itanhangá, tem um estacionamento ao lado e inúmeras linhas de ônibus e taxis passam aqui na porta, anote o endereço

Rua Floresta Imperial, 66 – (21) 980133938 – renatorochamiranda@gmail.com

Apareçam, serão muito bem-vindos!

Boa Luz e Boa Sorte

 

High Speed Sync 30

O nome assusta, High Speed Sync,  e para piorar a explicação depende de um conceito levemente nebuloso: a velocidade de sincronismo.

No último post sobre o Domo Difusor eu levei uma chamada wolverínica de Henry Cartier-Bresson, ele mesmo, em um comentário nada sutil sobre minhas deficiências sobre iluminação.

Pensei que Nosso Pai fosse dar uma explicação à altura sobre o tema, mas contentou-se com a trolada mesmo.

O curioso é que me lembrei de uma frase lida na excelente biografia “O Olhar do Século“, escrita por Pierre Assouline, em que o pai do fotojornalismo afirma:

Não se deve  chicotear a água antes de pescar”

Uma clara crítica ao uso do flash na fotografia, mas em compensação já estive em Recife e Cuiabá ( ou em Wadi Rum na Jordânia, com os flashes fotografando a 50 graus na sombra) e pude ver como uma fornalha passando por cima de sua cabeça muda o seu ponto de vista em relação à mítica luz natural.

É fácil perceber que em um país tropical como o nosso a exposição durante a parte mais quente do dia pode chegar facilmente a 1/250s e f/16, é a regra Sunny16 adaptada para um sol muito mais forte.

O problema é que 1/250s é a velocidade de sincronismo de muitas câmeras digitais modernas, ou seja, sem o modo de Sincronização Rápida ( o High Speed Sync do título) presente nos flashes atuais, você teria que se contentar sempre com aberturas muito pequenas toda vez que fosse usar um flash.

Um forte argumento a favor dos “cães” é a capacidade de sincronizar em qualquer velocidade de obturador ( com uma grave perda de potência), mas como a percepção de movimento é controlada pelo obturador, seria possível congelar movimentos rápidos com o uso de velocidades elevadas de obturação e um flash dedicado?

O vídeo abaixo é autoexplicativo, mostra duas fotos, uma feita com f/4 e 1/250s em ISO 100, com um SB-900 (carga 1/64 e 75mm) afastado 1,5m de uma furadeira, essa aqui:

1/250s@f/4, ISO 100

1/250s@f/4, ISO 100

e a segunda foto feita com o mesmo flash em carga total ( zoom de 105mm), a mesma abertura f/4 mas agora a velocidade cravada em 1/8.000s..

1/8.000s@f/4, ISO 100

1/8.000s@f/4, ISO 100

Qual delas vence essa disputa? Uma velocidade maior com flash congela melhor o movimento?

Percebe-se claramente que a imagem com 1/250s congela mais o movimento angular do mandril que a outra, feita com 1/8.000s, mas como isso é possível? e qual a verdadeira vantagem de sincronizar com velocidades altas de obturador?

Comentários são bem vindos e não deixe de visitar a agenda do blog na I LOVE MY WALL, tem cursos excelentes boa por lá..depois não diz que eu não avisei..rs

 

Boa Luz e Boa Sorte!

I LOVE MY JOB utiliza WordPress com FREEmium Theme.
As modificações foram feitas por Carlos Alberto Ferreira