Número-Guia e a “Potência” do Flash

6 jan
2014

Eu preciso agradecer ao Bruno Lorenzo por, durante uma aula particular de flash, ter feito a pergunta certa.

Tenho uma sorte incrível de ter encontrado um estúdio com uma vista indescritível de dois dos pontos mais charmosos do Rio de Janeiro:  A Pedra Bonita e a Pedra da Gávea.

Pedra Bonita e Pedra da Gávea, inspiração até para o logotipo do Criadouro

Pedra Bonita e Pedra da Gávea, inspiração até para o logotipo do Criadouro

Essas duas muralhas de granito (diga adeus aos celulares por aqui) me fazem perder boas horas em pura contemplação, mas um detalhe pequeno tem força suficiente para brigar (e muitas vezes vencer) com elas. Olhe a foto que está no cabeçalho do post e veja a imagem que aparece quando se abre o portão de entrada do Criadouro. 

Lá em cima, à esquerda, surge o campanário da Igreja de São Bartolomeu, somos vizinhos de muro. Já fiz tanta burrada na vida que é incrível ter uma Ajuda dessas tão perto de mim, nos momentos de tensão basta dar uma olhada para o lado e agradecer à Boa Companhia pela inspiração e segurança.

Torre da Igreja de São Bartolomeu

Torre da Igreja de São Bartolomeu

Bruno pediu que a aula particular simulasse os eventos noturnos ( casamentos, festas, etc..) que ele costuma fotografar e que eu o ensinasse como poderia tirar proveito de apenas um flash.

Mostrava na prática como a noção de número-guia estava sendo ensinada errada, que amarrar um conceito simples, porém extremamente poderoso, à idéia de “potência” era afastar do fotógrafo um conhecimento valioso para a compreensão do comportamento da luz.

Quem diz que o número-guia serve para medir a potência do flash, na verdade não tem a menor idéia do que seja potência e muito menos de como se usar um flash.

Consequência imediata de gente que, em busca de bajulação gratuita, teima em ensinar aquilo que não pratica.

Afastando um flash Canon da câmera do Bruno, eu tentava lhe mostrar como aquele acessório podia ser muito poderoso quando bem ajustado, ele fisgou a isca e fez a pergunta certeira:

Esse 580 EXII poderia iluminar o Campanário da Igreja daqui do Criadouro?

O flash no topo do tripé Manfrotto girou a cabeça, piscou o único olho  e sorriu para a gente..

Para entender o tamanho da distância que separa o ponto onde estávamos do campanário da Igreja, eu tive que recorrer ao Google Maps, olhe a foto abaixo:

Distância do flash ao campanário ad igreja

Distância do flash ao campanário da igreja

No ponto .1 eu estou sentado em um banco com uma câmera Canon programada para controlar um flash remotamente pelo pop-up. A partir desse momento, eu não me levantarei mais desse banco, todas as infos serão passadas pelos novos disparos do flash embutido

No ponto .2  existe um speedlight Canon 580 EXII montado em um tripé Manfrotto que se esgoela para alcançar mais de 3 metros de altura. Esse flash está programado para Slave, sua cabeça está fechada em 105mm  e irá SEMPRE disparar em carga total (1/1)

No ponto .3 está o campanário da Igreja de São Bartolomeu…distante mais de 75 METROS DO FLASH NO PONTO .2!!

PERGUNTA:

Se de acordo com as especificações,  a “potência” do 580 EXII é de 57,91 m, terá ele força suficiente para iluminar algo que está uma vez e meia além de sua “potência”?

Vamos tentar dar uma ajuda para nosso amigo luminoso mantendo a abertura da 70-200 sempre em f/2.8 e lembrando:

o flash está a 3m de mim, disparando sempre na carga total,  estou sentado em um banco com a câmera no tripé em ISO 100 e desde então nunca mais mexerei no flash, essa foi a foto que consegui:

ISO 100, f/2.8@1/250s

ISO 100, f/2.8@1/250s

Zero, nada! Como era de se esperar algo tão fraco como um flash de câmera jamais iria iluminar corretamente algo tão distante e grande como a torre de uma igreja distante 70 metros do fotógrafo, isso é trabalho para uma “big light” ou algum equipamento caríssismo que eu terei que juntar dinheiro a vida toda para comprar…

Mas, veja o que acontece quando altero a sensibilidade da câmera para ISO 400:

ISO 400, f/2.8@1/250s

ISO 400, f/2.8@1/250s

Uma leve subida no ISO da câmera fez com que o campanário fosse corretamente iluminado…mas como isso é possível se eu não toquei um dedo no flash?

A carga não foi alterada, a potência do flash permaneceu a mesma ( aliás, qual a potência de um 580? ou um SB-910?), mas o meu número-guia claramente ficou maior, o que está acontecendo?

Outra perda com a associação da idéia de potência: se o campanário estivesse a 80 ou 60 metros, a luz o atingiria com a mesma intensidade…como?

 PERGUNTA

Se em ISO 400 um flash comum consegue iluminar algo distante 75 metros, o que acontece com uma noiva fotografada a 3 metros de distância em ISO 3200 e f/2.8? A tendência a vaporizar pessoas é um erro do flash ou do fotógrafo?

Você já nasceu com o melhor equipamento, pare um pouco e pense nas perguntas, aguardo seu comentário!

BOA LUZ E BOA SORTE!

 

 

 

 

 

28 Responses to Número-Guia e a “Potência” do Flash

Avatar

Adriano Duarte

janeiro 6th, 2014 at 11:35

Conhecer o equipamento que temos nas mãos é fundamental, e suas dicas simples e direto ao ponto é du c$%&lho.

Avatar

Renato Miranda

janeiro 6th, 2014 at 11:58

@Adriano Duarte, Obrigado Adriano! Volte sempre!

Avatar

Leandro

janeiro 6th, 2014 at 19:58

O número guia n é uma verdade absoluta então?

Avatar

Bruno Guedes

janeiro 6th, 2014 at 20:04

Salve Salve Renato,
Quero entender mais e mais dessa luz.
Quando tiver uma vaga pra um dia de sábado me avise.
E não esqueca do Lightroom heim !
Abraços

Avatar

Rogério Belório

janeiro 6th, 2014 at 20:34

O segredo é colocar a cabeça pra pensar e conhecer o equipamento. Excelente post, como sempre!

Abçs

Avatar

Renato Miranda

janeiro 6th, 2014 at 20:55

Bingo Leandro! Nunca foi, não é e nunca será. Da forma como é ensinado, faz parecer que é um número rígido, só usado para comparar potências entre aparelhos, quando na verdade te dá a chave para entender a distancia, abertura e disposição de luz na foto, tudo o que vc precisa para expor a luz do flash sem dar um clique sequer. Fisicamente impossível ele representar a potência de algo. abraços, obrigado pela visita!

Avatar

Renato Miranda

janeiro 6th, 2014 at 20:56

Volto de Viagem no dia 19 de Fev, vamos fazer sim, agora com o Criadouro é possível fazer sem esperar turma! O curso é legal, vai abrir sua cabeça! obrigado pela visita e comentário

Avatar

Renato Miranda

janeiro 6th, 2014 at 20:58

Obrigado pela visita e comentário Rogério! excelente 2014 para vc!

Avatar

Renato Miranda

janeiro 6th, 2014 at 21:01

@Leandro, e posso usar sua pergunta para o próximo post? me permite?
abraços!

Avatar

Thiago Gonçalves

janeiro 6th, 2014 at 23:26

Oi Renato! Acompanho sempre seu blog, principalmente o Face e página do Criadouro.

Enfim, to dentro da próxima turma de Flash ao sábado!!!
Não da para você voltar antes não??? Rsrsrsr

Abração!

Avatar

Isis

janeiro 7th, 2014 at 00:28

Eu lendo o post e o cocão fervilhando…Tão engraçado como tu coloca a gente pra estudar o que tá fazendo e não fazer por fazer! Grande Mestre, Renatão!

Avatar

Xande Assis

janeiro 7th, 2014 at 04:15

Se o flash estiver em manual carga 1/1 vai sair como os alienígenas do Cocoon. http://cinexin8.files.wordpress.com/2010/12/cocoon_sized.jpg

Porém se o flash estiver em TTL ele vai perguntar: quanta potência eu preciso para iluminar “dezoitoporcentamente” essa noiva com a câmera em ISO3200 a f/2.8? Aí o cão vai latir quando o fotógrafo setar um 1/8000! Ativa o HSS!!!!! Ativa o HSS!!!!! O erro é do fotógrafo o flash não pensa ele só reage aos nossos cutucões.

Desculpa se falei besteira rsrsrs é o sono… rs

Você já nasceu com o melhor equipamento, pare um pouco e pense nas perguntas, aguardo seu comentário!

Avatar

Leandro

janeiro 7th, 2014 at 18:09

Claro que pode Renato, no aguardo pra ver o post assim que for publicado.

Avatar

Renato Miranda

janeiro 9th, 2014 at 11:49

valeu Ísis!! bom te ver por aqui, volte sempre!! saudades!

Avatar

Renato Miranda

janeiro 9th, 2014 at 11:51

não precisa nem espetrar formar turma Thiago, agora com o Criadouro vocë pode ter aulas diretamente comigo, sem esperar formar turma, qq dúvida escreva para renatorochamiranda@gmail.com
abração, obrigado pela visita!

Avatar

Renato Miranda

janeiro 9th, 2014 at 11:54

Xande, não precisa ativar o HSS porque vc não fotografa sincronizando am altas velocidades em um casamento, normalmente o obturador fica bem mais lento. Mesmo em TTL a chance de estourar é bem grande já que a sensibilidade esta´muito alta, a melhor opção é baixar um pouco o ISO e retirar o flash da câmera.
abração, obrigado pela visita!

Avatar

Renato Miranda

janeiro 9th, 2014 at 11:55

Saudades Isis!! obrigado pela visita, aguarde novas postagens!

Avatar

Renato Miranda

janeiro 9th, 2014 at 11:56

@Leandro, obrigado!

Avatar

Gilson Gama

janeiro 16th, 2014 at 15:59

O melhor que o Renato nos ensina é uma coisa tão simples que choca até. Eles nos ensina a pensar. E em qualquer atividade é primordial. Valeu muito a pena fazer o curso no Criadouro. Foi um dia fantástico, inesquecível e preciso voltar.

Abraços

Avatar

Renato Miranda

janeiro 21st, 2014 at 00:36

Valeu Gilson! sempre bom te ver aqui! abração

Avatar

Leandro Dias

março 4th, 2014 at 14:06

Pode sim claro

Avatar

Renato Miranda

março 6th, 2014 at 01:53

Olhe o novo post Leandro! obrigado pela participação! abração

Avatar

Cadu Dias

março 6th, 2014 at 09:45

Me lembro quando comprei meu 1º flash, um SB-600, e no manual dele vinha uma tabelinha da relação de sensibilidade entre os ISOs. Ninguém dá bola praquilo, mas é TÃO importante né!?

Avatar

Julio Cezar

dezembro 16th, 2014 at 20:39

O problema é que estamos acostumados com atalhos. Não lemos manual. Vamos fuçando aqui e ali. Queremos as coisas prontas. Somos mais alunos que autodidatas.

Avatar

Charles Santana

outubro 23rd, 2015 at 05:43

Opa! Com licença, deixa eu entrar na conversa! Sou iniciante na fotografia, procuro ler o manual pq é através dele que vc pode conhecer um pouco o seu equipamento. Por isso eu havia entendido que, a ideia do cálculo do GN sempre foi uma referência, um ponto de partida para uso do flash.
Apesar de ainda não dominar o flash, o que percebo por aí é que tem muita gente postando e até mesmo dando curso, baseado no que lê e não no que pratica. Digo isto por experiência própria, por algumas frustrações nas práticas e testes. Venho encontrando nas explicações do Renato informações mais sensatas sobre esse aparelhinho (assisti o vídeo ‘Como usar a carga do flash’ no seu canal YouTube) e ali abri meus olhos pra algo que ainda não tinha me deparado em outras “explicações”.
Gostei da visão do Renato. Abraço a todos.

Avatar

Renato Miranda

outubro 28th, 2015 at 00:35

Apesar de iniciante você já se mostra bem atento aos detalhes Charles! Está percebendo o que pouca gente vê: a quantidade de gente interessada em títulos sem ter a prática para tal cresce assustadoramente. O número dos que ensinam flash sem nunca terem clicado com flash é grande. Parabéns, vc está no caminho bom para ser um bom fotógrafo! :)

grande abraço!

Avatar

luis Eduardo neves de carvalho

junho 15th, 2016 at 15:40

costumo usar o flashe fora da maquina com radio geralmente uso em manual, 1,2 ou 1,8 comecei a dominar melhor essa tecnica com as tuas dicas, valew abraços.

Avatar

Renato Miranda

julho 3rd, 2017 at 16:15

Valeu você Eduardo!!

Comment Form

top